Seguidores

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

GUERRAS INÚTEIS


Tantas discórdias correm o mundo, tantas guerras e tantas desuniões.

Como o homem sabe sempre como iniciar uma rincha, uma guerra, uma vingança.

Quase todos têm dentro de si suas guerrinhas particulares, e como isso os incomoda, perturbando seu sono, suas vidas no dia a dia.

Como perdem tempo, tempo sim é isso o que perdem com os seus “grandes problemas”.

Vejam como jogam fora a chance que Deus lhes dá para realizarem um bom trabalho.

O tempo que perdem em maquinar vinganças ou em fazer valer o que imaginam ser o certo para eles, se fosse utilizado para o bem do próximo, certamente diminuiriam pela metade o seu tempo de expiação.

Ao invés disso aumentam mais e mais as dívidas, e cada vez mais reparos têm a fazer.

É lamentável, principalmente quando vemos os números dos adeptos do materialismo aumentarem mais e mais, quando Deus colocou em vossas mãos, nas mãos dessa geração a grande dádiva, do contato mais direto com o mundo espiritual.

Irmãos ao lerem ou ouvirem qualquer alerta do mundo espiritual, procurem ouvir e entender, olhar e enxergar e não como é vosso costume de dizer “isso não é para mim, é lindo, mas não é para mim, certamente deve haver aqui alguém que merece estas palavras”.

Isso é o comum, aceitam o que lhes envaidece, mas nunca o que lhes diminua perante os outros ou perante si mesmo.

É o orgulho, sim o orgulho que ainda vive em seu coração por menor que seja a sua semente, ela ainda aí se encontra e lança as suas raízes.

Arranquem irmãos tirem fora essa semente má que põe por terra todo vosso trabalho de regeneração.

Estamos do lado de cada um de vós e estejam certos sofremos da mesma forma as injustiças que recebeis, mas sofremos ainda mais quando vemos que tu te levantas em teu orgulho para superar a mágoa.

Levante sim irmãos, levante, mas na semente do amor que nosso Pai plantou, que é bem mais forte e segura que qualquer outra semente má que possas ter em seu coração.


Ditado por João de Albuquerque
Psicografado por Luconi
em 22-06-1980.

Nenhum comentário:

Postar um comentário