Seguidores

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

NÃO JULGUE CADA QUAL UM MUNDO A PARTE



Fácil falar que temos que nos colocar no lugar do outro, o difícil é realmente nos colocarmos no lugar do irmão em questão.


Por mais boa vontade que tenhamos, temos que entender que cada um tem um mundo particular só seu, cada um é um mundo particular, onde por mais que achemos que sabemos de suas necessidades e das situações que vivem, realmente não sabemos.
Não conseguimos sentir como o irmão em questão sente, pois ele é um espírito que vem de muitas e muitas reencarnações e traz consigo uma bagagem imensa de aprendizado, de conhecimentos, mas também de traumas emocionais, de quedas, de feridas abertas em seu perispírito por doenças de sua alma que ainda não foram sanadas.


Então realmente nos colocarmos no lugar do outro torna-se muito difícil, podemos nos colocar no presente atual que vive, apenas isso, mas sentiremos conforme as nossas experiências, aprendizados e doenças de nosso perispírito.

Por isto que muitas vezes estudamos e refletimos a situação do irmão e por mais que queiramos entender não conseguimos, pois nossas reações seriam outras, pois somos um mundo diferente, como disse, cada um é um mundo em si mesmo.


Às vezes, atitudes inesperadas do irmão nos surpreende de forma positiva ou negativa, quantas vezes não falamos ou ouvimos “não esperava isso dele”, não esperavam, não entendem, porque a verdadeira realidade só ao Pai compete, pois muitas vezes nem o próprio irmão em questão entende a sua reação, uma vez que seu mundo é formado por experiências que carrega de outras vidas, que no seu consciente não está, mas que o inconsciente traz à tona através de certas reações ou sentimentos.


Por isto a máxima de Jesus Cristo: Por isto a máxima de Jesus Cristo “ Não julgueis, pois, para não serdes julgados; porque com o juízo que julgardes os outros, sereis julgados; e com a medida com que medirdes, vos medirão também a vós. (Mateus, VII: 1-2).”.

Sim, meus irmãos, quando julgamos, vemos apenas a situação atual e não o todo daquele irmão, e por isto muitas vezes somos injustos, mas mesmo que não formos injustos no caso em questão, estaremos deixando de ser complacentes e por isto nós que não sabemos de nossas faltas passadas e da complacência que o Pai teve para conosco, podemos perder a complacência e a misericórdia do Pai até que aprendamos a ser complacentes e misericordiosos.

Procurem seguir vossas vidas, dando o melhor de si, não enchendo  vossas malas espirituais de mágoas, de rancores, procure enchê-las de AMOR e elas se reduzirão a apenas uma mala bem pequena e muito leve e ao atravessar a ponte sereis aplaudidos por toda sua família espiritual e pétalas de rosas do infinito sobre vós cairão.


Ditado por João de Albuquerque
psicografado por Luconi
em 19-10-2017

terça-feira, 5 de setembro de 2017

TUA FÉ REMOVE MONTANHAS ACREDITAS?

 

Um amigo encarnado sem rumo conversando com um mentor incorporado:

A fé remove montanhas,  ensinou-nos o Mestre amado, mas então por que não consigo remover apenas um pedregulho sequer? 

A minha fé é tão pequena assim? Mas  eu creio  com toda força de minha alma. Será que a força de minha alma  não existe? 

Mas se a força de minha alma não existe, concluo que sou fraco? Ou  minha alma é fraca? Ou melhor que meu espírito é carregado de energias negativas?

Então me perco nessas divagações que são totalmente inúteis, pois a nenhum caminho haverá de me levar. Quero um caminho, não encontro saída, qual é?

Mentor:
Percebe  que apenas andas em círculos, sem sair realmente do lugar e que acaba sempre na segunda pergunta. Será que realmente tua fé é tão pequena? Ou será que o mundo se materializou de tal forma tornando o homem tão racional que ele não consegue realmente enxergar o movimento dos pedregulhos em sua vida? 

Antigamente, em épocas remotas, muitos e muitos tinham visões, tinham curas magníficas, tinham graças, muitas graças. Em épocas remotas, onde o Homem muito pouco tinha se comparado ao Homem dos dias de hoje. Nos dias de hoje, onde novos métodos de cura são descobertos, onde recursos de todos os tipos e gêneros estão nas mãos dos Homens e mais e mais os Homens continuam a evoluírem no campo científico, o Homem inflou de tal jeito seu ego que realmente acha que não foi Graça Divina essas descobertas.

Antigamente a fé era pura, vinha das profundezas do ser, não era questionada, apenas acreditavam e o Pai lhes retribuía com pequenos e grandes milagres, com visões estando o Homem acordado ou dormindo quando as visões lhe apareciam em sonhos proféticos. O Homem de antigamente não tinha como entender todo raciocínio de um simples invento ou de um processo de cura para essa ou aquela doença, porque eles não tinham alicerces intelectuais para isso, então Deus em sua magnitude, os abençoava e lhes dava provas de sua existência, bastando para isso que tivessem fé.

Nos dias de hoje,assistimos a livramentos de perigos iminentes, a curas onde a medicina por mais avançada que esteja não conseguiu ainda alcançar, a situações resolvidas de uma hora para outra sem que fosse esperado e sem se saber como foi,  assistimos todos os dias. Mas o ego do Homem sempre dá uma desculpa, um motivo para dar o crédito ou a si mesmo ou a alguém, nunca a Deus, que aliás se não fosse Ele, o Homem não existiria. 

É, você não tem fé? Ela é pequena? Você tem espírito fraco? 

A resposta é uma só o Homem nos dias de hoje cegou os olhos do espírito, abafou toda ajuda espiritual que recebeu e recebe com toneladas de ego inflado. É, o Homem de hoje, afasta-se cada vez mais de Deus, do Divino, nem mais os sons das criações Divinas sabe escutar, o Homem de hoje é triste, não traz a alegria incontida da CRENÇA dentro de si. 

Irmão, volta-te para dentro de ti mesmo, descobre a criança pura que um dia foi, inocente, onde tudo era possível, vai retornando aos poucos para os dias de hoje, pare e se detenha em cada situação que lhe pareceu de difícil solução, analise-a e seja muito verdadeiro consigo mesmo, depois de volta ao hoje procure se exercitar olhando o mundo em cada pequeno detalhe que nunca antes você deu importância, vá até a natureza, medite e se reencontre. Perceberá quantas e quantas vezes o Pai o atendeu, através de um amigo, de uma situação que foi criada, de pensamentos que você nem sabia de onde vinham, mas que na verdade eram intuições de espírito amigo, faça esta análise meu irmão e verá que bem pouco ou quase nada você teve mérito sozinho. Aí volte aqui e me diga se tua Fé não transporta pedregulhos e também montanhas. 

O irmão estava chorando, eu falava e ele já ia revendo algumas situações, eu sabia que ele seguiria o meu conselho, pois seu espírito tinha fome e sede, ele esquecera de o alimentar. 


Ditado por Irmão da Paz 
psicografado por Luconi
em 04-09-17


quinta-feira, 24 de agosto de 2017

JARDIM DA ALMA ERVAS DANINHAS OU FLORES




Não serei eu que direi estão errados, não serei eu que os julgarei, pois se nesta terra tão pouco acertei, se nesta terra tanto errei, como posso eu nos dias de hoje não compreender a alma humana.
Sim meus queridos, a alma humana tão dual, carregando em si uma dualidade que faz com que o que ache tão correto num minuto no momento seguinte já age de forma diversa dos valores que seguia e pregava até mesmo através de suas ações.

AH! A alma humana, que num instante alça voo às alturas do infinito e no outro caí dessas alturas em queda vertiginosa.

Alma tão bela, tão repleta de recursos para escalar os degraus da evolução, mas que por um sentimento negativo, que a toma, adormece todos esses recursos e acaba na mais triste
vala onde mais tarde o remorso  a fará se corroer, remorso chicote da alma, remorso que a faz parar para rever os motivos da queda, onde vislumbra de repente que apenas tivesse dado ouvidos ao seu eu interior ao invés de abafá-lo não estaria em tal situação.

Quanto a alma perde por abafar a voz da razão que dentro dela grita.
Ninguém está livre de momentos de dissabores, ninguém encontra um caminho plano sem obstáculos para percorrer a jornada terrena, afinal aí estão para aprender novos valores, para alicerçar os que existem dentro de si, para acabar de arrancar alguma raiz daninha que possa ter restado e está adormecida, esperando ou ser arrancada de vez ou a oportunidade de crescer de tal forma que nada mais a alma irá escutar.

Uma vez permitindo que tal aconteça, esta erva daninha irá chamar outras ervas daninhas, pois a consequência de praticarmos atos negativos é que passamos a receber energias negativas e uma energia negativa alimenta outra energia negativa e quando o ser se dá conta tomou atitudes contrárias ao que era antes de permitir tal erva de germinar, de crescer.

É de simples entendimento, se você cativa o amor, você acaba cativando a bondade, a fraternidade, a benevolência, a caridade, todos sentimentos filhos do amor, esta alma será sempre florida o seu jardim será belo com uma variedade incrível de boas sementes que irão tomar conta do ser, energia positiva gera energia positiva.

Já se você cativa o desamor, acabará cativando a raiva, o egoísmo, o orgulho, o ciúmes, a sede de poder, a materialidade, a radicalidade, a alma então que sempre tem em si sementes positivas acaba sendo tomada pelas ervas daninhas e o jardim que era para florir seca, não morre jamais, mas as sementes ficam latentes esperando algo que as regue, energia negativa gera energia negativa.

Tudo depende da alma humana, aquela que se entrega aos bons sentimentos, não importando se os espinhos do caminho firam seus pés, que a ingratidão apunhale o seu coração, que o desamor, o preconceito, a radicalidade batam em sua porta de várias formas, que a besta humana, que muitos infelizmente cultivam através de atos insanos, o faça sofrer as consequências de seus atos infelizes, esta alma poderá sofrer na terra, mas dentro de si a paz que carrega emanada do seu jardim interno, não permitirá que ela caía, a fé, a confiança, farão que ela sinta sempre a presença de seu Criador e suas atitudes repletas de boas energias serão as águas que irão mais cedo ou mais tarde germinar as boas sementes da alma caída que ao negativo se entregou.

Uma seguirá rumo a evolução, outra infelizmente cairá na mais escura vala de onde só sairá quando o arrependimento lhe bater a porta e desejar realmente iniciar sua jornada no aprendizado do bem.

A todos é dado livre arbítrio, cada um escolhe o que semeia, a colheita é sempre obrigatória, mas todos cada um a seu tempo seguirá rumo à evolução, não importa o tempo que demorem, pois infinito é o tempo, como Infinito é o amor do Pai por toda sua criação, amorosamente ELE espera cada criação sua.



ditado por Zelda
psicografado por Luconi
em 21-08-17

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

QUEM EU SOU?


 




Fui rainha dos sete mares.

Fui senhora em treze castelos.

Aos meus pés muitos se curvaram.

Uns para bajular-me, e em suas cabeças minha mão eu passava.

Outros para implorar-me perdão, mas eu era implacável e ali mesmo suas cabeças rolaram.

Jamais voltei atrás.

Jamais me curvei à vontade de alguém.

Jamais permiti que em meu mundo entrassem.

Eu era a senhora,a poderosa, mandei, reinei e jamais olhei para trás.

Agia não com o coração, mas com a cabeça.

Não, eu não era injusta não, só que pau tinha que ser pau e pedra, pedra.

A lei tinha que ser cumprida e eu assim fazia.

Jamais aceitei desculpas pela falta de seu cumprimento, eu era forte, portanto não admitia as fraquezas alheias, não entendia que ser humano falhasse, tivesse direito a uma segunda chance, não isso eu não entendia.

Meus ancestrais assim me ensinaram e rigidamente fui educada, o filho varão não veio, portanto eu subi ao trono e como mulher, não podia demonstrar fraquezas.

Eu venceria, eu faria a vontade de meus pais, eu não permitiria jamais que me fizessem de tola.

Uns me achavam justa, outros me temiam, amada nunca fui, amei sim amei, mas nunca pude viver esse amor,
sofri, mas para eu sofrer era uma fraqueza, esqueci-me que eu era uma mulher, fui apenas a Rainha, ninguém jamais soube que eu precisava de um ombro para apoiar-me.

Sim fui rainha, reinei, acertei em alguma coisa e errei em muitas outras, coloquei em prática o que me ensinaram, mas não aprendi a demonstrar amor em meu atos, teria a desculpa em que tudo era difícil, a ferro e a fogo, mas eu era inteligente e poderia usar essa inteligência para impor as leis com amor e fraternidade.

Pátria amada e querida podia tê-la feito melhor, em minhas mãos estava o teu adiantamento e eu retardei, com certeza, tua evolução.

Solo amado que adiantou a ti meu reinado?

Choro-te e ainda hoje assisto as consequências da minha inflexibilidade.

Um dia a ti voltarei e poderei reparar um pouco do mal que te fiz.

Por enquanto trabalho na linha de divisa terrestre, aonde aprendi a amar, perdoar e entender as fraquezas humanas e principalmente as minhas.

Quem eu sou?

Ditado por um espírito amigo
Usa o pseudônimo de Zimbá

psicografado por Luconi
Em 17-02-1985