Seguidores

terça-feira, 12 de junho de 2018

VIVER É TRAVAR LUTA CONSIGO MESMO


Quantas vezes não nos colocamos em posição difícil perante as provas que a vida nos traz.
Quantas vezes optamos em não passar pelas provas e simplesmente viramos as costas.
  Quantas vezes deixamos de resolver pequenas pendengas fazendo de conta que não existem, acreditando que com o tempo serão esquecidas, desaparecerão de nossas vidas.
Quantas vezes não nos espantamos quando lá na frente a pequena pendenga aparece e cria empecilhos para continuarmos a nossa caminhada.

Assim somos por que só vemos a vida presente, porque não nos vemos como espíritos imortais que durante milênios de encarnes e desencarnes para aprendizado, deixamos para trás pequenos e grandes débitos que a Lei Divina, no momento certo, quando considerar nosso espírito capaz de resgatar os débitos,  irá colocá-los a nossa frente.
Para que possamos atestar nosso amadurecimento e consequentemente nossa melhora espiritual.

Mas infelizmente exatamente o que mais pedimos antes de encarnar, é o que não aceitamos e tentamos fugir na encarnação atual.
Precisamos parar de nos acharmos injustiçados e começar a pensar que se assim é, é porque assim deve ser.

Podemos não entender, mas se tivermos fé, saberemos que Deus é infinitamente justo e amoroso para seus filhos.
Jamais permitiria uma prova que nós não estivéssemos prontos para por ela passar com louvor.

Enfrentar as dificuldades de frente, não deixar ao acaso nem para o amanhã, pensarmos simplesmente que se está no meu caminho para mim é.
Não podemos nos contaminar pelos que deixaram o egoísmo e o ego tomar conta de seu coração, de sua mente.
Levantar sempre com o pensamento:
“ Eu quero, eu posso, eu vou enfrentar e vencer dentro das Leis de Amor que Jesus tanto nos ensinou.”

Acredite nisso, invada o seu ser com isso e verá que será bem mais fácil travar a luta da vida.
E não esqueça que na verdade a luta não é com a vida, é com você mesmo.


Ditado pelo Irmão da Paz
psicografado por Luconi

em 09-06-18

sábado, 2 de junho de 2018

RADICALIDADE FRUTO DO ORGULHO



Entre alguns acertos e muitos erros, passei minha última encarnação. Não, eu não era mau, não tinha coragem de fazer mal a uma mosca.

Mas se não era mau eu era com certeza um poço de orgulho, orgulho que me levou a tomar atitudes erradas ou me levou a me omitir em algumas ocasiões. Após o desencarne, sendo recebido por benditos irmãos socorristas, deparei-me com a verdadeira realidade. Havia realmente outra vida e essa era a vida real, a da Terra era passageira e ilusória.
Foi o primeiro choque, o segundo choque foi receber a visita de uma preta velha, que entrou com o sorriso largo e os olhos repletos de bondade e me disse:- E então meu filho, como está se sentindo?

Respondi que estava cada dia melhor e perguntei se a conhecia por que ela não me era estranha.
Ela sorriu e disse que havia me visitado assiduamente nos meses antes do meu desencarne, estava me preparando e preparando minha filha e esposa. O meu nome filho, na linha que eu trabalho da Umbanda, é Tia Rita, assim é que sou conhecida, minha identidade da última vida não importa.

Eu estava envergonhado, já reparara que entre os espíritos que ali eu via vestidos todos de branco como se fossem enfermeiros, apareciam de vez enquanto alguns que se trajavam de forma diferente, alguns senhores de calça de algodão cru e uma bata branca simples, senhoras duas ou três como aquela que ali estava, toda de branco, mas a saia era longa, bata ao invés de blusa e o lenço amarrado na cabeça, também vi dois homens que com certeza eram índios e isso me intrigava. O que faziam ali? Eu me indagava.

Mas agora esta senhora estava ali conversando comigo, será que ela não sabia o meu jeito de pensar na Terra? Isto tudo eu pensava, enquanto ela fazia uma prece a Nosso Senhor. Quando terminou olhou para mim e sorrindo me disse para que eu não me preocupasse, que ela sabia que pertencia a religião que eu abominava quando encarnado. Então eu mais do que depressa me justifiquei:

-Mas minha menina adoeceu e morreu devido a feitiçaria, encontramos dentro
do seu travesseiro depois que morreu e foi uma mulher que mexia com essas coisas.

- Eu sei meu irmão, mas a mulher era uma irmã infeliz e reconheceu em sua esposa uma antiga inimiga de outras vidas, inimiga de feitiçaria, ela se vingou, infelizmente não havia evoluído o suficiente para perdoar. A mulher não era umbandista, a verdadeira Umbanda o mal não pratica.

Senti dentro de mim que era verdade, comecei a chorar e foi um longo choro que ela esperou eu me acalmar e depois me disse que mais para frente eu recordaria de tudo e entenderia o enredo que envolveu minha encarnação. Assim realmente aconteceu, fazendo eu entender tudo.

Mas naquele instante, diante de tia Rita eu percebi o quanto eu era radical devido ao meu imenso orgulho, por causa dessa radicalidade maltratei irmãos desta religião e até debochei abertamente causando mal estar nas pessoas. Julguei uma irmã caída nas redes das trevas por todos que se diziam espíritas. Pedi perdão a tia Rita por tudo que fizera aos irmãos daquela religião e ela sorrindo me abençoou e ainda disse que pra ela não tinha que pedir desculpas, pois a ela eu nada havia feito.

Então me anunciou uma visita, que só esperava este meu momento de entendimento para poder me visitar e ela não entrou pela porta, não, ela apareceu na minha frente, a minha pequena que fizera passagem aos seis anos de idade. Paralisei, não acreditava,perguntei por ela ao irmão enfermeiro que me auxiliava e ele me disse que com o tempo tudo se esclareceria.  
Não imaginem a felicidade, ela, com seus bracinhos em volta de meu pescoço, dizendo: Te amo muito papai. Bem, passamos horas conversando e já passados quarenta anos sempre que nossos trabalhos permite nos encontramos.

Deixo aqui meu depoimento, por que não existe nada pior que o orgulho descabido, faz que tomemos atitudes que muito nos arrependemos em nome deste orgulho e a radicalidade é sem dúvida fruto deste orgulho.

E também que todos os irmãos, independente da religião, são muito bem vindos na espiritualidade, na luz, cada qual segue o tipo de trabalho que mais se afina com seu espírito, mesmo os queridos irmãos que são guardiões nos limiares das trevas, sempre trabalharão em nome da Luz combatendo as Trevas.

Aqui nas moradas do Pai não há divisões, todos são úteis e todos se auxiliam.


Que Deus os abençoe.


ditado por Guido Gobbi
psicografado por Luconi

em 27-05-18

domingo, 27 de maio de 2018

O AMOR SINCERO AGUARDA



Não sei ao certo quando fui criado,
acredito que há muitos milênios,
pois na evolução não existe pulos,
por cada fase passar é necessário,
são muitas até chegarmos a sermos humanos.


Conscientes somos como humanos,
não somos mais pelo instinto guiados,
dentro de nós o bem e o mal juntos,
seres duais somos,
mas o livre arbítrio temos.


Responsáveis pelos nossos atos,
através de reencarnações seguimos,
aprendendo, acertando e errando,
exige a reparação cada erro,
mas para isso entender é preciso.


Aquele que erra por falta de entendimento,
menos será cobrado,
aquele que erra consciente do certo,
muito será cobrado,
nos ensinou o Mestre Jesus há muito.


Desta forma, entre muitas vindas e idas,
como uma pedra bruta vamos nos lapidando,
através do esmeril do sofrimento,
até todo mal de nós extirparmos,
merecendo aprender em plano espiritual mais elevado.


Mas quando a este ponto chegarmos,
os irmãos que para trás ficarem olharmos,
o coração apertado então sangrará,
mais alto o amor maior falará,
para ajudá-los a Jesus pediremos,
e os céus com raios luminosos se abrirão,
é Jesus que feliz estará,
então muito aprenderemos,
auxiliando nossos amados irmãos,
a mais um degrau galgar.



Ditado por Áspargos
psicografado por Luconi

em 27-05-2018

sexta-feira, 18 de maio de 2018

NOITE BENÇÃO DIVINA




Quando na Terra anoitece, 
a lua se faz presente, 
mesmo que não apareça, 
a sua luz a noite iluminará. 

O Criador sábia lição nos deixou, 
basta uma pequena luz, 
para a escuridão afugentar, 
para as trevas iluminar. 

Só fica na escuridão, 
quem se entregou ao mal, 
mas basta praticar o bem, 
para a luz as trevas expulsar. 

Para a noite olhem, 
como uma benção do Criador, 
que lhes diz com muito amor, 
até nas trevas cuido de vocês.


Ditado por João de Albuquerque
psicografado por Luconi
em 06-05-18