Seguidores

terça-feira, 12 de maio de 2015

RECEITA DA PAZ



Tão fácil é viver em paz, quem tem paz dentro de si com certeza transmite serenidade a todos a seu redor.



É uma energia maravilhosa, quem convive com a paz consegue sentir felicidade, os bons momentos da vida são bem mais intensos, pois nada existe para nublá-los dentro de si.



A receita para viver em paz, é tão simples e tão falada, mas por bem poucos seguida.




Para viver em paz basta deixarmos o amor fraterno se expandir dentro de nós a ponto de o colocarmos em todas as nossas ações, se tivermos realmente este amor automaticamente seremos mais tolerantes para conosco mesmo e com o nosso próximo, consequentemente fortaleceremos a qualidade da paciência e desta forma saberemos esperar momentos certos, esperar aquele sinal especial que o Pai nos envia mas que nossa impaciência não nos deixa ver.


Automaticamente tal amor tão especial não permite que julguemos nosso próximo e nem cruzemos os braços diante da necessidade de outrem tornando-nos solícitos sem arrogância, agindo de forma bondosa e de forma que nosso próximo não se julgue nosso devedor.




Como é deliciosa a sensação de um abraço sincero, de um sorriso aberto, de um dedo de prosa para aliviar o coração, tantas são a forma de prestar ajuda a alguém, além claro da ajuda material quando for o caso, mas que esta ajuda seja de forma que quem a receba não se sinta humilhado.




Bem tantas são as formas de ficarmos em paz e de levarmos esta paz a alguém. A receita é simples, aliás foi o Mestre que nos passou: “ Amai-vos uns aos outros. Como eu vos amei, assim também vós deveis amar-vos uns aos outros”(João 13,34).



Amor tomando espaço em seu coração a ponto de não ter mais espaço para qualquer sentimento negativo como sentimentos de amor-próprio, ego, vaidade, orgulho. Verdadeiras ervas daninhas que abafam o amor, ocultando-o e tirando  a paz.



Fiquem em paz,




ditado pelo Irmão da paz
psicografado por Luconi
em 12-04-2015



terça-feira, 5 de maio de 2015

UM LAR OU UMA CASA?

                               Imagem:Núcleo Espírita Auta de Souza    
clique conheça



Era uma casa bela,
na rua não havia igual aquela,
mas seus moradores sempre tristonhos,
pareciam que não tinham nem sonhos.




Lá dentro cada um por si vivia,
cada qual com seus pensamentos,
não olhavam para o lado,
todos muito ocupados.




Tão sozinhos se sentiam,
na verdade mal se conheciam,
pelos laços de sangue unidos,
pelo gelo da individualidade separados.




Uma casa fria,
sem calor humano,
jamais seria um lar,
seria apenas uma casa.




Rir, brincar, participar,
entre si não sabiam,
com os amigos era fácil conversar.
amigos que o vazio não completariam.




No fundo em outras casas bem se sentiam,
calor humano encontravam,
mas na deles impossível,
um o outro culpava.




Tão fácil seria,
apenas um passo,
uma mão estendida,
um sorriso e um coração aberto.




Aos poucos o gelo iria quebrando,
o calor se instalando,
o eterno elo renascendo,
e a casa um lar se tornaria.






Não importa se na casa mora muita gente ou não, rica ou pobre, ela será um lar se nela houver amor fraterno, exalando de dentro para fora de cada um de seus moradores, mesmo que seja apenas um morador.





ditado por Gilson Gomes
psicografado por Luconi
12-04-15

terça-feira, 28 de abril de 2015

MAL DA HUMANIDADE





Um mundo tão repleto de gente e ao mesmo tempo tão solitário, nunca se viu tanta solidão no interior do ser humano.


Riem, brincam, conversam e é tudo tão superficial, os verdadeiros sentimentos estão guardados a sete chaves e na maioria das vezes nem eles mesmos os conhecem.


Medo de demonstrar fraqueza, desconfiança em relação àqueles que convivem, medo de julgamentos ou então apenas orgulho.


O ser humano está cada vez mais só, não compartilham suas alegrias e muitas vezes nem as reconhecem, pois há muito não conseguem visualizar as verdadeiras alegrias da vida.


Compartilhar alegria não é sair contando a todos isto ou aquilo, mas demonstrar a sua alegria no olhar, no abraço, nas palavras carinhosas, nos pequenos gestos, atitudes que vão espalhando esta energia de felicidade, de satisfação e grande bem faz a todos que com ela tem contato.


Mas parece que o ser humano se esqueceu das verdadeiras alegrias, se esqueceu de como é bom estar bem consigo mesmo e com todos a sua volta, se esqueceu como a paz interna é importante e levá-la ao seu exterior e estendê-la para um irmão mais importante ainda.


Não o ser humano se isola, camufla sentimentos, tem vergonha de abraçar um irmão, de sorrir para alguém, de falar de sua fé.


Ah! bons tempos quando falar de Jesus era motivo de horas de boa conversa, abraçar a todo irmão e mostrar-lhe o caminho era uma satisfação, foi-se o tempo, o homem se modernizou, voltou-se para a materialidade, e de repente o próximo ficou tão distante e muitos se envergonham de falar de Jesus outros ao ouvir falar Dele se enfadam.


É triste humanidade, que não tem tempo, que é tão moderna, que é tão sábia e que consegue dormir enquanto tantos gemem de frio, de fome, doentes do corpo e da alma.


Quando conseguirão finalmente visualizar o mal que a consome?


Abafaram o amor fraterno, distorceram e só quando o recuperarem é que a humanidade doente conseguirá se emergir e sentir o calor da Luz Divina.

Fiquem na paz de Cristo.




ditado por Áspargos
psicografado por Luconi
em 12-04-2015

terça-feira, 21 de abril de 2015

EGOÍSMO





Egoísmo é doença da alma, semente maligna que brota regada pelo apego material, pela falta de solidariedade ao nosso próximo, pelo exagero de individualismo do ser humano e principalmente pela vaidade e orgulho que dão ao ser uma sensação de poder.



Egoísmo um grande mal da humanidade de ontem e de hoje, sair da própria comodidade para auxiliar seja no que for ao próximo é coisa muito trabalhosa.

Sempre o egoísta tem para si uma boa desculpa, ele não pensa jamais "não custa nada", muito pelo contrário normalmente pensa que não é a ele que cabe, e são exatamente os irmãos mais egoístas que se julgam no direito de apontar a comodidade de outrem ou de cobrar ajuda para si.



Infelizmente, não percebem o quanto ganhariam se abrissem mão de sua comodidade.



Nas pequenas coisas, nos trabalhos mais simplórios, em nosso lar ou no nosso trabalho que treinamos a "boa vontade", a solidariedade.



Doar-se sem esperar nada em troca, seja ajudar em algum trabalho, seja ceder um pouco de seu tempo a alguém, seja de forma material, mas sempre com amor sem esperar nada em troca.



Façamos uma análise em nosso interior, recapitulemos situações de forma clara, honesta consigo mesmo e veja quantas vezes você usou de desculpas para cruzar os seus braços, quando realmente se quer auxiliar sempre conseguimos ajeitar de alguma forma.



Depois da análise, passe a se policiar, não deixando passar oportunidades, com o tempo verá que se tornará um costume, comece dentro do seu lar, no seu trabalho e depois deixe que o "acaso" lhe traga oportunidades para você arregaçar as mangas.




Que a paz do Senhor esteja com todos,




ditado por João de Albuquerque
psicografado por Luconi

em 12-04-2015